Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
-- - --
-- - --
Feito!
Erro!
Logo 16590-214

As 2 tempos contra o sistema!

Voltar ↖Seguir ↘
Notícia publicada em:17/10/2014 18:14

As 2 tempos contra o sistema!
Clique para ampliar a imagem ^
As 2 tempos contra o sistema!
Giuliano #144

 


Apesar da minha convicção de que a maioria dos pilotos seria mais feliz com uma 2 tempos, compreendo algumas das razões pelas quais na hora h tanta gente compre uma 4t, afinal essa é a moto do “sistema”.

Infelizmente são poucas as matérias nacionais sobre o assunto, e nestas geralmente o conteúdo é pouco esclarecedor, e o que há de besteira escrita por aí não tá no gibi...então nesta reportagem tento clarear um pouco mais o assunto em alguns pontos principais que envolvem o futuro das 2 tempos como normas ambientais, regulamentos, informação, tecnologia, etc...

Aqui me refiro a “sistema” como todo o conjunto de fatores que o faz pensar que se você deseja ter uma moto você tem que ter uma 4 tempos; felizmente, nem todos seguem essa lógica e tenho visto novos guerreiros por aí com suas 2t desafiando o sistema aqui no Brasil: muita gente que adora 2t e estava andando de 4t agora tomando coragem de pegar uma 2 tempos.






[color][size]

Uma YZ 250 (e também uma CR250 2006 e uma CR125 200)3 recentemente modificadas pela revista americana Motocross Action Magazine refletem o interesse crescente pelos modelos 2 tempos

Recentemente fotografei uma YZ 125 2013 e uma KTM 250SX 2014 numa corrida aqui perto de casa. A YZ125 o dono estava vendendo por já ter encomendado o modelo novo 2015; a KTM era de um ex-campeão paranaense de motocross, que andou forte empurrando o 1º colocado o tempo todo e ficando com a 2ª colocação em 2 baterias.





[color][size]

É ver para crer: uma YZ125 2013 e uma KTM250SX 2014 numa corrida recente

Lá fora muita gente adaptando motores 2t nos chassis de 4t, clássicas 2t que saíram de produção sendo totalmente reformadas e melhoradas, tanto por revistas especializadas como por consumidores. Conheço até mesmo o projeto particular de YZ com injeção eletrônica com projeto e execução feita por um conhecido de fórum da internet. Realmente impressionante. Nestes últimos anos acompanhando assiduamente as novidades sobre o assunto, nunca vi tanta movimentação neste sentido.

Velhas idéias sobre novas tecnologias

Não sou contra a tecnologia, mas sou radicalmente contra o que vem acontecendo no esporte com as motos 4t descendo goela abaixo do consumidor com o “apelo da modernidade” com pouca ou nenhuma consciência crítica por parte do consumidor que ama o esporte e quer vê-lo prosperar.

Talvez não sejam os melhores exemplos do mundo, mas vou citar a suspensão a ar e o chassis de alumínio: soam tecnologias bastante modernas e, como toda novidade são bem vistas pelos consumidores, que tem a idéia de que o que vem depois é mais moderno e mais adequado para ele...maaasss... talvez devido à sua rigidez o chassis de alumínio talvez não seja o material adequado para o motocross/off road e as suspensões a ar também não sejam tão boas quanto as hidráulicas atuais de câmara dupla.

Pode ser que eu esteja enganado mas vou deixar ao leitor a reflexão em relação ao porque de a KTM não as utilizar. Será que eles não tem tecnologia suficiente para aplicar essas tecnologias “inovadoras”? Então talvez o alumínio não seja o material mais apropriado e as suspensões a ar não convençam também.

A citação anterior é só para despertar a atenção para motores 4 tempos atuais de alto giro: o fato de serem a “nova tecnologia” e pelo fato de que os profissionais pagos pelas fábricas as utilizarem não implica que esta moto é melhor pra você, afinal a realidade destes caras em nada se parece com a sua(!) Para eles não importa o custo e qualquer fração de segundo importa muito, e com um regulamento encomendado para as 4t vencerem, é óbvio que eles vão andar de 4 tempos!

Para nós mortais, a realidade é bem diferente: (em tese) deveríamos escolher uma moto que maximiza, além dos resultados nas pistas e trilhas, a nossa satisfação. Particularmente, eu levo em conta o quanto me divirto quando não estou competindo na maioria dos finais de semana também, além do mais como ando geralmente nas categorias MX-3 e intermediária, posso escolher a moto que eu quiser para competir.

Acho legal aquela história do cara que mora na roça lá no alto serra com acesso por estrada de chão...não adianta ele preferir um carro da StockCar a um Fusca, pois este se adapta muito melhor à sua realidade, atinge com louvor seu objetivo (beeem diferente do piloto da stockCar) e há tranquilidade e facilidade na manutenção.

.





[color][size]

A Beta 2T vem sendo muito elogiadas pela crítica especializada mundial, tendo sido eleita a melhor da categoria

Mas tem gente, incluindo “mecânicos” que teima em manter sua opinião quando houve falar de motos 2t...e já vem logo na cabeça aquela idéia de DT´s ou Agrale na cabeça, associando a coisa ultrapassada, e tal. ..quanta ignorância: isso certamente não tem nada a ver com uma especial 2t, principalmente as atuais.

Duvido que esses caras tenham real experiência atual em cima de uma 2 tempos ou sequer saibam que há montadoras na Europa lançando motores 2t totalmente novos.

Falando em motores novos, a tendência atual é incorporar e aprimorar tecnologias para melhorar o torque em baixas rotações e uma aceleração mais linear, como a tecnologia de controle eletrônico da válvula de escape, já disponível em toda linha TM Racing 2015 e na linha Sherco 2 tempos. Isso torna a tocada mais amigável, sem perder a esportividade do motor 2t.





[color][size]

A válvula eletrônica tornou o recém-lançado motor 2t da Sherco linear e fácil de conduzir

Informação ou desinformação

Li num site bastante conhecido a afirmação absurda de que as 2t “sempre giram mais” que as 4t...fico pensando como é possível quem escreveu não saber que uma 250 2t gera sua potência máxima em torno dos 8500 rpm, enquanto uma 250F o faz depois ( às vezes bem depois) dos 11000rpm...

Isso eu encontrei escrito num site conhecido, imagino a quantidade de besteira que é falada por ai...

Então vamos a alguns pontos principais:

Tecnologia: Numa revista também bastante conhecida me deparei com uma reportagem sobre “o verdadeiro futuro das motos 2t”, mas nada havia sobre as de novas tecnologias disponíveis nem sobre as que estão em desenvolvimento (injeção direta, eletrônica) e suas perspectivas.

Só para dar uma passada no assunto, a injeção direta 2t já existe há tempos em motores náuticos e snowmobiles e moto de trial da OSSA. Aguarda-se se com grande expectativa o lançamento ao público de seu modelo de enduro apresentado no salão de Milão em 2012 e já recebeu muitas encomendas antecipadas. A empresa uniu suas operações com a GasGas,e algo deve vir por aí comenta-se que o atraso se deve à crise econômica na Europa.

Há mais detalhes sobre esse assunto em reportagens anteriores.

Interessante citar a fantástica esportiva RONAX 500, com injeção direta 2t 500cc 4 cilindros. Vale a pena assistir uns vídeos no YouTube.





[color][size]

RONAX 500CC: um avião de 160HP em 147Kg – o milagre do motor 4 cilindros 2T de última geração

Mudanças nos regulamentos: Aqui no Brasil alguns pilotos já se pronunciaram a favor de mudanças, a fim de reduzir custos e aumentar a competitividade, que aliás é o que o esporte mais precisa.

Na reportagem que li nada foi falado sobre a inadequação/obsolescência das regras atuais das categorias do motocross e os desdobramentos possíveis com eventuais mudanças no regulamento , como por exemplo ocorre na categoria MX-2 de alguns países em que as 250 -2 e 4 tempos – correm juntas.





[color][size]

Kavin Benoit, campeão canadense da categoria MX-2

Interessante que há clamores no sentido de que seria injusto uma 2t 250cc na MX-2, mesmo todo mundo concordando que as 4T são mais fáceis de tocar...chega a ser curioso o fato de que os que defendem essa tese da superioridade das 4t são os mesmos que questionam as regras de correr cc x cc na MX-2... sei lá, uma moto superior deveria possuir o DOBRO de cilindrada para ser competitiva, ainda mais sendo mais fácil de tocar?

Quanta contradição...não seria mais fácil assumir a inferioridade como piloto ao levar pau de uma 2 tempos? Isso deveria estar escrito em lei!! ...rsrsrrs

Falando sério agora, quero destacar um fato importante, que nem sempre são as 2t 250cc vencem a MX-2 nos países onde é cc x cc, há sempre uma boa briga entre as 4t e as 2t. Como sempre vale a mesma regra que sempre defendo: o piloto importa muito mais que a moto!

Demanda: li uma informação confusa de que não houve aumento de demanda pelas 2t nos últimos anos com a crise econômica... este é um fato inquestionável.

Talvez quem escreveu imaginasse a possibilidade de as 2t passarem a vender mais que as 4t mesmo com todo o sistema jogando contra, uma ingenuidade. No caso de uma mudança nos regulamentos ( para tornar mais leal as disputas) esses números poderiam ser elevados a níveis imprevisíveis e é aí que justamente está o problema, se perderia o investimento maciço feito pelas montadoras japonesas nas 4t na última década .

Vejo os apaixonados pelas 2 tempos questionando porque as coisas não mudam, tanta gente querendo ver mais 2t por aí, mas sem saber o que fazer... quem está nesta situação e tiver possibilidade, nem pense 2 vezes: o melhor a fazer é comprar uma 2t nova!

As fábricas europeias vem investindo em novos modelos 2t não por acaso, e a japonesa Yamaha finalmente deu um upgrade na linha 2 tempos 2015.





[color][size]

A KTM vende mais modelos 2 tempos que montadoras japonesas vendem em toda sua linha off road

Regulamentos manipulados: outra coisa que talvez não se imagina é a influência que uma corporação do porte da Honda tem para ditar as regras das competições de motocross para manter tudo como está -na prática impedindo as 2t de competirem a nível profissional. Esse é o cenário ideal para eles, mas certamente não pra nós!

Isso não é teoria da conspiração, apenas o capitalismo “normal” de uma empresa que se declara “four stroke only”. Há indícios claros desses interesses, como a o fato de ser a única a possuir uma linha de mini-motos toda 4 tempos e a única mini moto 4t de alto giro do mercado, isso para ir doutrinando a molecada desde cedo .

É bom lembrar que hoje são vendidas 10 vezes menos motos off road per capita. Descontado o efeito da crise econômica, isso tem tudo a ver com o sistema nos empurrando as motos 4t goela abaixo.

Não sei se ou quando os regulamentos irão mudar devido aos interesses envolvidos, o fato é que a mudança seria muito favorável a todos os consumidores e atletas.

Ainda bem que na Europa a força das 2t é grande e as motos europeias vem evoluindo muito e ao que tudo indica continuarão assim. A categoria 125 continua lotando os gates - um dia ainda vou lá conferir uma dessas, se Deus quiser.





[color][size]

Acerto da moto: alguns consideram mais simples e fácil acertar uma 4t devido ao mapeamento da injeção do que carburar uma 2t. Cada um tem sua leitura dos fatos, mas se não me engano, fica em torno de R$400 para mapear uma moto 4t no dinamômetro após colocar uma ponteira e escape FMF , cujo custo é 3 vezes maior e com menos efeito no desempenho que numa 2t; numa 2t se gastaria menos com escape para obter um resultado muito maior, e se gastaria algo em torno de R$80 para um bom mecânico carburá-la adequadamente. Depois disso, caso o piloto ande em temperaturas ou altitudes muito diferentes, algum ajuste no parafuso da regulagem do ar, e só, simples assim.

Normas ambientais: Em 2017 entrará em vigor da Euro 4, norma ambiental que limita a redução de emissões, e os carburadores provavelmente não poderão ser mais usados em motos off-road. Ainda não se sabe se essa restrição alcançará também as motos de motocross, mas de toda forma será determinante para o lançamento das novas tecnologias 2t, as quais há anos já estão em desenvolvimento por empresas como a KTM.

Portanto, é razoável imaginar que algum modelo 2016 (ou seja, daqui a um ano) já embarque alguma tecnologia mais moderna, e isso deve impulsionar novos lançamentos no mercado.

Durabilidade: apesar do maior intervalo de manutenção, não acho correto dizer que uma 4t é mais robusta pelo simples fato de que ela não avisa quando vai quebrar. Só pra exemplificar, este ano um amigo foi abrir o motor de uma CRF250 no começo da temporada só pra conferir e dar uma revisão na moto, e o resultado foi um prejuízo de 7mil reais e 2 meses de moto parada, percorrendo 3 oficinas em cidades diferentes . Isso quebra o planejamento de qualquer um, né?

Por outro lado, trocar um pistão é extremamente simples, com alguma prática dá pra fazer no intervalo entre baterias - e custa o mesmo que um par de pneus. Tente fazer isso numa 4 tempos...

Outro mito é sobre a durabilidade do pistão numa 2t: sei de relato de uma moto 2t de apenas 144cc de enduro com mais de 100 horas em condições adversas sem sequer tocar no motor. No motocross, não é raro as 250 2t chegarem a 80 horas sem problemas...por outro lado chega a me entristecer a quantidade de pilotos abandonando o esporte após explodir suas 4t de alto giro; o outro lado do absurdo é aceitar consertos de 7, 8 mil reais em motos com 2 anos de uso.





[color][size]

Velocidade: Na interpretação do autor da reportagem da revista , quando o Roczen quando correu de 2t na final do campeonato mundial estava “irreconhecível” andando de 2t, caiu, abandonou a prova e tal. Visão que eu respeito mas descordo integralmente: faltou mencionar que em ambas as baterias, correndo entre os melhores pilotos e motos do mundo, e com uma moto que não era a habitual, ele estava entre os 5 primeiros, e portanto deixando 35 “invencíveis” motos 4t e grandes pilotos pra trás...então...mas não era para ser o contrário, 35 motos na frente dele?!

Em reportagens anteriores já mencionei que uma equipe privada colocou o piloto Robby Marshall e sua KTM250 SX entre os 20 primeiros no AMA MX, à frente de ninguém menos que James Stewart...quem duvida, pesquise na internet para comprovar!

A nível amador então eu poderia escrever páginas inteiras sobre as proezas de pilotos andando de 2 tempos. E tenho certeza de que isso só não acontece muito mais frequentemente porque nem sempre um piloto que anda forte tem disposição de montar numa 2 tempos e mostrar do que é capaz, algo que tende a mudar.

E os benefícios?! Por fim, não foram mencionados os evidentes benefícios de possuir uma 2t no que se refere ao prazer da pilotagem, o aprendizado das técnicas, etc...uma grande falha da reportagem, na minha modesta opinião. Para diversão e democratização do esporte ainda não existe nada melhor que as 2 tempos.

Mas pilotar uma 4t é mais fácil...

Caso você esteja entre os privilegiados menos de 1% dos pilotos que tem patrocínio integral e vive do esporte, acelere o que derem pra vc acelerar e considere-se um cara de sorte. Caso contrário, no entanto, se você acha que tem que ter uma 4t pense bem: andar de moto off road por si só é muito diferente, além de um esporte, é um estilo de vida que escolhermos voluntariamente, e isso envolve despesas, riscos, planejamento e esforço físico.

Pelo lado da comodidade, ninguém precisa andar de moto! O que todo mundo precisa fazer, naturalmente , é trabalhar e honrar seus compromissos, cuidar dos filhos, essas coisas... aliás todo mundo pode se divertir sem esforço algum, pode ver um filme, jogar videogame, tomar umas, etc !!

Agora se você resolver acelerar, colocar a adrenalina no sangue pra ferver, é saudável considerar uma 2 tempos pois você pode até estar satisfeito com sua 4 tempos, mas talvez não feliz , o que é bem diferente.

Todo mundo sabe que a pilotagem de uma 2 tempos requer mais comprometimento, passar a marcha na hora certa, reduzir logo que atingir a curva para manter o “cano cheio”, etc... bem diferente de uma 4t, em que você pode basicamente “passear” ao invés de pilotar. Como costumam dizer, “se você acha que pilota bem, acelere uma 125”.

Andar de 125 não soa como um “castigo” pra mim, ao contrário, eu sou louco pelas 125cc, são as motos mais prazerosas de andar na minha opinião...é a mão enrolada o tempo todo, o peso super-leve, muito bom mesmo...muita gente se esquece – ou nem sabe – que as recompensas pelo trabalho bem-feito” aos comandos de uma 2t de baixa cilindrada são enormes, o que torna a experiência da pilotagem muito mais intensa.

Dê tempo ao tempo para pegar a manha, é muito diferente a tocada. Você vai se tornando mais agressivo na pilotagem meio que de forma automática, vai ganhando algumas habilidades porque a moto vai de dando feed-back o tempo todo. Caso você se adapte bem, possivelmente não vai querer saber de uma 4 tempos nunca mais. Na pior das hipóteses, você vai voltar para 4 tempos andando mais rápido do que antes.

À procura da felicidade

Conheço um dos mais rápidos aqui da região, com quem possuo grande amizade. Ele andava de 450cc, e apesar da tocada rápida, sentia-se desmotivado, sentia saudades da “ época das 2 tempos”, estava pensando em até parar de andar, parecia que não fazia mais sentido.

Felizmente existe um remédio para essa “doença” que parece estar se alastrando por aí. Ele se chama MOTO 2 TEMPOS!

Após um acidente de certa gravidade com a 450cc ele adquiriu sua 2t zerada e felizmente, está em fase final de recuperação, graças a Deus, e mais empolgado do que nunca andando muito forte na sua KTM 2T.





[color][size]

O piloto Guilherme Garcia #76 feliz da vida com sua KTM150 SX 2014; ao fundo a TM144 MX 2014

Temos em comum dispensarmos a “facilidade” da tocada da 4 tempos para ficarmos com a diversão e o prazer da tocada das nossas 2 tempos.

Esse entusiasmo, o desafio que consiste em pilotar uma 2t é algo que tem muito valor na nossa opinião, é fundamental para se manter motivado e querer andar e melhorar sempre.

Mas vai muito do perfil de cada um, o piloto pode se sentir amedrontado e em desvantagem ao competir com uma 2t ou pode justamente ter exatamente a atitude oposta, se sentir quase um super-herói ao enfrentar as “imbatíveis” 4t e aumentar muito sua motivação e vontade de vencer.

Forme sua opinião... de acordo com a própria experiência!

Tem gente ao ler minhas reportagens deve se perguntar de onde vem meu encanto pelas 2t, então vou falar um pouco da minha experiência.

Nem sempre fui um fanático pelas 2t, na verdade eu era indiferente como a maioria, na época tinha um colega de faculdade que era “tarado” na RD350 e na DT180 dele, na época aquilo soava um pouco estranho mas eu achava até legal aquela paixão toda.

Para quem não me conhece, eu andei um bom tempo de Tornado –original e 360 preparada pelo Polaco – e posso dizer que eu era satisfeito com essas motos. Satisfeito , no entanto como já disse, é diferente de feliz.

Eu, de 4 tempos?

Por opção própria nunca tive uma 4t de alto giro - e até recentemente poderiam até me acusar de não conhecer as “maravilhas de uma 4 tempos”. Mas isso mudou quando vendi minha CR250 07 e aguardava a chegada da TM 144MX e graças a um grande amigo pude treinar e competir por um bom tempo com uma CRF250 2012, moto que possuía escape e ponteira FMF, suspensões gringas, freios oversize, etc. Seguramente foram mais de 10 horas apenas de pistas de motocross e várias corridas com esta moto, então acho que posso dar uma opinião comparativa razoável sobre ela.

Importante citar que na época que comecei a andar nela foi quando me mudei do interior do RJ para o interior de SP, onde o motocross “pedreira”. No RJ eu praticava mais veloterra, o motocross era mais eventualmente, então eu andava preocupado pelo fato de que na única corrida com minha CR nestas bandas faltou braço e eu abandonei a corrida... o ritmo dos caras era realmente muito mais forte do que eu estava acostumado (!)

Após treinos com a CRF, na primeira corrida com essa moto, numa pista bastante encharcada que eu gosto muito devido minha experiência em trilhas, andei muito próximo do meu limite e veio meu primeiro troféu aqui na região, um 5º lugar na MX-3 numa bateria com 24 motos. Essa prova foi fundamental para adquirir confiança, e então vieram outros resultados semelhantes em outras corridas da região. Sentia um certo vazio andando nela, mas a moto era rápida, sem dúvidas.

Então uma dúvida angustiante começava a me corroer por dentro: eu me perguntava se a opção por uma moto 2 tempos, era a escolha certa. Refletia em silêncio se não deveria ter escolhido uma 4t... o sistema estava para me dominar também! Cheguei a pensar que que poderia até mesmo fazer um negócio nela ainda zero. Fiquei preocupado, tive muitas dúvidas, e sobretudo tive medo.

Medo de “andar pra trás” nos resultados das corridas, medo de não conseguir mais bons resultados, medo levar pau de alguém que eu talvez pudesse vencer pilotando uma 4 - justamente agora, depois de tanto esforço, que eu conseguira comprar minha primeira especial zero...

Foi quando num ato de inestimável consideração pelo cliente, o manager da TM Racing Luca Proeiti decidiu me enviar sem custo uma TM125MX 2013 para que eu andasse enquanto minha 144 enfrentava atrasos na importação (causados pela descabida burocracia brasileira).

Então todo esse medo e angústia se transformaram numa alegria extasiante na primeira volta na TM125, a alegria era tanta que chorei de tanta alegria...quanta leveza, que motor forte, que ronco sensacional!!





[color][size]

Alegria total: de volta às 2 tempos!!

Nos treinos muita gente me disse que eu estava muito mais rápido na 125, mas seria na estréia em corridas contra as 250 e 450F que a pequena 125 teria que provar seu valor, então logo no primeiro final de semana com ela, tive uma das melhores recordações de corridas da minha vida, no primeiro motocross que andei com ela, conquistei 3 podiuns! O piloto da TM Racing Brasil, Rodrigo Lama, já havia me dito que a moto era fácil de tocar e competitiva em nível amador, mas nada como a própria experiência...que alívio comprovar a real competitividade de uma 2t 125cc moderna pelas próprias mãos.

Corri outras 2 corridas com ela e em todas as baterias garanti meus troféus, e sinceramente não acho que teria feito melhor numa 4 tempos. Hoje percebo que os resultados que vieram com CRF250 foram muito mais devidos ao meu esforço nos treinos, para melhorar minha técnica quanto meu preparo físico.





[color][size]

A TM 125 MX se mostrou competitiva no motocross amador

Sobre a TM144MX sou suspeito pra falar, é mais rápida moto para meu perfil de tocada que já experimentei. E na pista isso se comprovou, em minha estréia quase venci a categoria bronze contra outras 17 motos, isso largando do pelotão intermediário...cheguei em 2º lugar. E olha que não sou nenhum James Stewart, além disso tenho 1,86m e peso 99,9Kg (?100 não), então fico imaginando um bom piloto de 17 anos e 60Kg nela, que coisa linda que ia ser contra as 250F...

Esse meu amigo da CRF pediu pra dar uma voltinha na 125 e também se encantou com a moto. Na pista, ao aplicar a mesma tocada da CRF250 numa 125, era nítido que era preciso adaptações no modo de condução e num certo momento eu intervi dizendo “Lembre-se de 3 coisas: acelera tudo, passa marcha e usa a embreagem”. É aqui onde muitos afrouxam e tem medo de se expor...mas ele seguiu em frente, e a partir do 3º treino houve um avanço muito mais rápido do que eu esperava e fiquei surpreso com o resultado: não apenas o ronco do motor revelou uma tocada mais precisa, utilizando as marchas certas e o giro mais alto, mas principalmente nas curvas a evolução foi rápida e visível. Conforme pude observar, começou a fazer tempos bastante rápidos comparando com outros pilotos que conheço na pista.

E o mais legal a é a “marca registrada” de quem acaba de explorar os limites de uma 125...aquele sorriso largo de orelha a orelha ao tirar o capacete.

Na 144 então, com muito mais baixa e força, ele foi categórico ao dizer: dá pra andar mais rápido nessa moto que numa 250F! Resultado, agora ele vendeu a CRF está inclinado a pegar uma 2t zero também. Estou tentando encorajá-lo pois é compreensível uma certa insegurança.

Fuja dos “especialistas de plantão” encontrados em abundância ao redor das trilhas e pistas.

Tenha sua própria experiência e opinião.

A rebelião está convocada!

Converso com muita gente todo final de semana e vejo muita gente por aí que adora as 2 tempos andando de 4t mesmo que sem competir, apenas para se divertir em finais de semana. Então eu puxo assunto e pergunto por que não pegar uma 2 tempos,...parece que a vontade está lá mas vem aquela hesitação...dá para perceber que quase nunca há um motivo convincente...

Como diria o capitão Nascimento “O sistema é f...” - mas você pode ser contra ele e valer a pena!

Pense nisso.

BRRAAAPPPP

Giuliano #144

 
FONTE: MOTORAID - Não deixem de visitar o site www.motoraid.com.br , onde vocês encontrarão muito mais informações, notícias, eventos, trilhões, galeria, vídeos, classificados e contato.

Powered by Ofen Tecnologia da Informação